Domingo, 28 Junho 2020 15:02

AM PODE PERDER URUCU

Avalie este item
(1 Votar)

REDAÇÃO AgNorte.com.br

Por Marlen Lima

Uma notícia que vem, sim, com muita preocupação para o povo do Amazonas.

Isto porque a Petrobras anuncia que tende a querer vender, em sua totalidade, a sua participação no Polo Urucu, este que tem sete campos terrestres produtores de petróleo leve e gás natural.

A possibilidade disto ocorrer se agrava quando a politicagem tem tomado conta de temas que não deveriam jamais estar neste processo, caso da votação da Lei do Gás, que tramita na Assembleia Legislativa do Amazonas, e há movimentos governistas que querem atrapalhar esta votação onde se aprovado poderá, sim, dar um novo contorno na economia do Amazonas, elevando nosso Estado a um patamar forte neste quesito de petróleo, gás e multinacionais, que podem estar envolvidas, o que geraria um crescimento econômico e de geração de empregos beirando cerca de 20 mil empregos.

Só o Polo Urucu - 7 concessões de produção - Araracanga, Arara Azul, Carapanaúba, Cupiúba, Leste do Urucu, Rio Urucu, Sudoeste Urucu, localizadas nos municípios de Tefé e Coari.

josue entre

Para o presidente da Aleam, deputado Josué Neto, que é autor justamente da Lei do Gás, atualmente paralisada sua votação, a aprovação desta matéria é essencial para o Amazonas entrar de vez num mercado competitivo, altamente forte economicamente, porém, o tempo para se votar e poder colocar o Amazonas na briga do leilão da Petrobras está encerrando. 

Josué explica que se a Lei do Mercado do Gás não for aprovada a tempo e nenhum interessado vier a comprar no leilão, o Amazonas "perderá mais de 17 mil empregos, queda de arrecadação e queda em torno de 1/4 do PIB do Estado", salienta ele, que reforça que é a Assembleia, os deputados, todos os 24, "agora está nas mãos dos deputados estaduais e do governador, Wilson Lima", destaca o presidente da Aleam, que insite em afirmar que a decisão para salvar o Amazonas, "que já sofre com o enfraquecimento continuo da Zona Franca de Manaus e pode ser pior com o fim das operações da Petrobras, depende de agir agora".

Hoje, com um impeachment do governador Wilson em discussão, que tem a justiça de um lado a Assembleia de outro - e o povo acompanhando absorto -, e mais uma CPI da Saúde, que os deputados se debruçam, e a cada dia, mais horrores de desvio de conduta, de recursos surgem, acaba que o parlamento estadual vive com esta política cheia de anomalias, mas, é preciso que paralelo a tudo isto se tenha foco no que é necessário para o bem do Estado, e ações politiqueiras não podem ir ao encontro do que é para o bem do povo amazonense.

polo urucu petrobras