Terça, 27 Abril 2021 21:51

Ministro Ramos teme pela vida de Bolsonaro

Avalie este item
(0 votos)

O ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, disse nesta 3ª feira (27.abr.2021) que tomou a vacina contra a covid-19 escondido e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro, de 66 anos, corre risco de vida, por isso aconselha o mandatário a vacinar-se contra a doença.

“Tomei escondido, né, porque era a orientação […] Estou envolvido pessoalmente tentando convencer o nosso presidente, independente de todos os posicionamentos, que nós não podemos perder o presidente para um vírus desse. A vida dele, no momento, corre risco”, afirmou Ramos.

Por Poder360

As declarações vazaram em áudio de reunião do Conselho de Saúde Suplementar, que estava sendo transmitida ao vivo na internet. Os ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Paulo Guedes (Economia) também participaram.

Bolsonaro já disse mais de uma vez que será o “último” brasileiro a receber a vacina contra o coronavírus.

No encontro, Ramos disse que se imunizou porque, “como qualquer ser humano”, quer “viver”. E completou: “Se a ciência e a medicina estão dizendo que é a vacina, né, Guedes, quem sou eu para me contrapor?”.

MINISTRO RESPONDE

O ministro se defendeu. Disse que foi vacinado “com mais de 38 milhões de brasileiros” e que não queria fazer do “momento individual” um “ato político”.

Citou uma matéria publicada no site O Antagonista em 20 de abril. A informação, no entanto, não havia sido confirmada oficialmente. No fim, se disse “fechado com Bolsonaro”.

A Casa Civil negou que o ministro tenha recebido “orientação” para “esconder” a informação. E afirmou que Ramos tomou a 1ª dose da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca em 18 de abril.

Leia a íntegra da nota divulgada pela pasta nesta 3ª feira (27.abr):

“A Casa Civil esclarece que em 18 de abril, como cidadão comum, em seu carro e enfrentando fila como qualquer brasileiro, o ministro tomou a 1ª dose da vacina da Astrazeneca, em um posto em Brasília/DF.

Ao dizer, de maneira informal, que teria tomado a vacina “escondido”, o ministro se referia ao fato de ali estar um dos mais de 38 milhões de brasileiros que já se vacinaram e não um ministro de Estado.

É importante ressaltar que a vacinação do ministro foi divulgada, à época, na imprensa. O ministro, portanto, não tomou a vacina de forma escondida e nunca foi orientado a não relatar tal fato. Apenas não quis fazer desse momento um ato político”.